sexta-feira, 14 de outubro de 2016

CARTAS PARA ELA: CICATRIZ QUE FICA

Para Ela, de G.W.T.

Orgulho de você.

É um orgulho silencioso, mudo, uma vez que nossos mundos agora estão distantes. Mas ocasionalmente um beija-flor (eu poderia dizer "o acaso", mas isso tornaria o texto menos poético) me traz notícias e posso ter breves vislumbres das tuas conquistas e especular sobre a mulher que tu deve ter se tornado, com o intelecto aguçado e o coração alegre pertencentes à pessoa quem conheci.

Provavelmente estas palavras estão sendo jogadas ao vento e que elas não possuam mais a importância de outrora aos olhos de quem são endereçadas. Mas tudo bem, eu ainda estarei aqui para lê-las, no final.

Penso, na verdade experimento, que um amor passado pode se tornar um fardo pesado para quem teima em cultivá-lo, mesmo que apenas nos recantos do próprio coração, sem intenções, sem pretensões. Mesmo que as vezes doa. Que doa muito.

Mas eu o guardo. Porque sou eu, porque é isso o que eu faço. Não ouso transformar aquelas palavras em cinzas. São a forma de todos os sentimentos vividos. Não cederei nenhum passo para negar quaisquer verdades deste longo livro.

Guardo este amor porque ele foi belo demais para deixar desvanecer, o guardo porque ainda sou apaixonado por aqueles capítulos desta peça que mudou de rumo e nos reservou papéis diferentes para atuar na história adiante. Carrego comigo, o amor entalhado na pele, e espírito, sem arrependimentos.

Arrependimentos… Sim, me arrependo de algumas coisas que fiz, mas de nenhuma das coisas que tentei. Ainda assim carrego erros e acertos porque tudo aconteceu como tinha que acontecer e de qualquer outra maneira não teria sido o que foi.

Estou diante deste quadro belo e inspirador. Pinceladas de memórias brilhantes e coloridas, com alguns tons tristes. Uma lembrança para guardar e seguir adiante. E descobrir o que os deuses nos reservam para as páginas seguintes.

PS: está tudo bem. Fica bem.

>>>