sábado, 29 de outubro de 2016

CARTAS PARA ELA: AZUL

“Se um escritor se apaixonar por você, você nunca morrerá”.

Para Ela, de G.W.T.

Abro os olhos. Estou numa praia. O sol está a pino e uso as mãos para proteger a vista. Sinto a areia queimando os pés.

Há pessoas em volta. Famílias reunidas, pais, filhos, irmãos, tios e primos… Arengando uns com os outros.

Grupos de amigos se divertem, com música, bebida e juventude.

Há muitos sorrisos. Uma bola cai próxima de mim e eu a chuto de volta para algumas crianças que brincam.

Não reconheço ninguém aqui. Não reconheço esse lugar. Mas eu reconheço o calor que faz, conheço o som do mar, as ondas quebrando, recuando para o fundo e voltando para as areias novamente.

Tomado por um ânimo repentino, respiro profundamente e sinto os pulmões absorverem mais do que oxigênio. Sinto um éter mágico, onírico, sinto a própria essência da vida se espalhar pelo meu corpo inteiro. Eu fico bem.

É quando eu te vejo. Alva no azul. Nadando, flutuando na água como se fosse no céu. Perfeita. Não existem preocupações neste lugar, apenas algo bom transbordando de dentro do coração, se revelando na tua face com sorriso.

É quando percebo que esse lugar é o teu lugar. E que meu desejo inconsciente havia aceitado teu convite consciente. 

Eu quero te cumprimentar, te avisar que eu estou aqui. Mas mais do que tudo quero ficar perto de ti. Estou tão bem que eu PRECISO sentir teu corpo num abraço, preciso dividir essa alegria repentina com a pessoa que a despertou.

Mas eu me detenho e calo, desisto. Não ouso perturbar este belo quadro. Se existe algo em que acredito é que tu deveria ficar bem assim sempre. E eu sonho com isso também.

Tento ocupar minha atenção com a felicidade que permeia esse teu sonho, polvilhada no ar, invisível mas impossível de não reparar. Mas volto a te ver novamente, vejo a poesia dos teus movimentos na água tão azul… Parecia o céu com nuvens de espuma feitas pelas ondas. Sinto um desejo doce e apimentado surgir no coração e tomar meu corpo. A empolgação de quem está apaixonado.

Eu tento me distrair mais uma vez, buscando me impedir de atrapalhar tua valsa no mar. Sento na areia e o tempo avança. O mar escurece um pouco mais, para receber o sol deitando no horizonte. Tu vem em minha direção e teus cabelos se misturam aos tons ruivos do crepúsculo.

Levanto-me, chegou a hora de me despedir. Desta praia, do teu mar, do belo sonho que tu gentilmente compartilhou comigo…

É quando me apanho escrevendo esta carta, sem conseguir encontrar palavras para agradecer este bom sentimento que tu me permitiu.

É quando penso no amanhã. Ei, marcamos de nos ver! Até lá espero encontrar as palavras e os gestos para traduzir esta gratidão, pelo convite tão sincero. Por ter deixado esta janela onírica aberta para mim.

Quem sabe venhamos a descobrir o teu mar numa praia de um final de semana perdido. Quando buscando, pudermos nos encontrar.

>>>