quinta-feira, 22 de outubro de 2009

coisas que falam sobre coisas: descivilizaçao (biquini cavadao)

qualquer dias desses ainda pego meu carro e sumo daqui.
vou aonde der a gasolina.
dai em diante ando a peh,
ateh encontrar carona em carro de boi.
suspendo meu odio e salto num vale inatingivel.
percorrerei a mata e me embrenharei por ela
ateh chegar numa arvore,
a mais alta, e preparar
um chocilho joia.

na chuva que os dias trouxerem,
esquecerei de conta-los,
perderei seu nomes e sequencia.
chamarei do que quiser:
dia vento, dia de sono,
dia sem graça,
dia, areia e poh...

os vicios e obrigaçoes
responsabilidades, relogios e cordoes,
serao pesadelos que nem lembrarei.
palavras se perderao, outros simbolos virao:
pedra cortada, o mato achatado, a seta no chao...
descivilizaçao...

na chuva dos dias, meu nome vai fugir.
escorrer pela terra ateh que as plantas o suguem
aih ele serah uma presença inaudivel em todo lugar,
como algo tao notorio, e que por isso, nao precisa se falar:
sol sem brilho, luz sem cor...
descivilizaçao.
porque a vida eh passageira, e a morte, o trem.