domingo, 31 de agosto de 2008

B de Babilonia

"eu sou o solo frio e úmido do mike. sem mim, nao existiria chao para seus pehs caminharem, ou teto para seu corpo habitar".

substantivo. mundo conhecido.

governada pelo destino, terra de longos campos semeados com mentiras e permeado por nevoas que tornam todos os seus habitantes ignorantes da propria divindade.

a babilonia estah em chamas. seus habitantes nascem, entram em combustao em contato com o oxigenio (que empreguina cerca de 20% do ar que respiram), estalam, e num unico folego, morrem.
com o passar dos anos, o fogo em que estao imersos racha sua pele, transformam seus cabelos castanhos, pretos, ruivos ou loiros em cinzas. sua voz resseca, o volume diminue ateh se tornar quase num sussurro... (de socorro?) muitas vezes ignorados pelos semelhantes de tribo, mais jovens e que estao ocupados demais com a propria combustao. com o proprio caminho rumo a morte.

pois esta eh a unica promessa real da babilonia: a morte.

e tudo que o homem conseguir alem disto, serao apenas consequencias de suas escolhas. e em cada coisa que tocar, destruirah. pois o fogo a tudo consome. nao importa o tempo que leve para isso.

pois a babilonia, meus amigos, estah em chamas.

lutar contra as chamas eh sofrer. aceita-las, eh ficar dormente para tudo o mais que torna o homem realmente digno da centelha de luz e vida dada por deus a cada um, nos primevos dias em que ascendemos a escala da evuluçao e nos tornamos senhores deste mundo. mas se voce acostumar-se com o fogo, e com a nevoa, e obter a frieza suficiente para viver num lugar onde as pessoas estao queimando diante de seus olhos, voce vive muito bem, obrigado. e nao, obrigado.

a pessoas estao queimando. e queimam uns aos outros tambem.

a babilonia nao eh um lugar que criamos, mas corrompemos. envenenamos suas aguas, e matamos todos os outros seres que andam com as quatro patas, que nadam com nadadeiras ou voam com asas de couro ou penas.

anteriormente era chamada de paraiso, concebida e concedida pelo criador para que habitacemos... mas a historia nos revela que, infelizmente, meus caros concidadaos

nos tornamos pessimos inquilinos...

-DERHUN ARKANONE